Pesquisar neste blog

quarta-feira, 27 de junho de 2012

Entrevista - Valdemar Pepino

Qual será o critério definitivo para uma pessoa ser conhecida pela maioria da população de uma cidade? Riqueza? Poder? Aparecer na televisão em horário nobre, ter feito atos heroicos, ou ainda ter sido campeão de votos nas últimas eleições? Pois Valdemar Riquecepe passa longe da riqueza e do poder; não tem televisão em casa, quanto mais aparecer em uma; nunca foi candidato a nada e, pelo que se sabe, não é herói de ninguém. Talvez você nem saiba quem é o Valdemar Riquecepe, esse senhor que você já deve ter avistado diversas vezes pelas ruas da cidade, quem sabe até trocou uma ou duas palavras com ele e muito possivelmente foi convidado para a festa de seu aniversário. Mas e Valdemar Pepino? Esse você deve conhecer. Confira, abaixo, a conversa que tive com essa pessoa curiosa, divertida, de coração grande e que torce para o Internacional..

Boboy Segundo - Bom dia, seu Valdemar, gostaria de se apresentar para os leitores do Boboy Segundo?
Valdemar Pepino – (rindo) leitores de quem?
BS – Do nosso blog.
VP – Nem sei o que é isso, mas vamos lá. Meu nome é Valdemar Riquecepe (pedi que soletrasse para mim, mas ele, embora saiba ler e escrever, encontrou dificuldades, de modo que Riquecepe é somente  a escrita fonética desse nome que deve ser alemão ou polonês). Nasci em Pelotas no dia 17 de julho há 70 anos.
BS - De onde saiu seu apelido, Pepino? Isso lhe incomoda?
VP - A gurizada mexe comigo e eu tenho que me fazer de brabo pra manter o respeito, mas não me incomoda, não. Quem me chamou assim a primeira vez foi o Celso da Unidos. Aí, pegou.
BS – Há quanto tempo o senhor mora em Pedro Osório?
VP – Estou morando faz oito anos na última rua do bairro Paraíso (numa casa que ganhou da prefeitura).
BS – Mas na cidade de Pedro Osório, há quanto tempo o senhor mora, como o senhor veio parar aqui? Gosta da cidade?
VP – Não lembro quanto tempo, mas sei que faz muito. Vim pra cá depois que minha mãe faleceu. Escolhi Pedro Osório porque a Lígia, minha irmã, mora aqui também. E eu gosto de morar aqui. Agora está ficando meio violento. Assaltaram o Adão das Pipocas, meu vizinho. Ele ia andando pela rua e levaram tudo dele. A cidade não era assim. Até parei de ir nos bailes (o que mais gosta de fazer) por causa das brigas e dos assaltos. Agora vou só na Festa da Melancia. Mas mesmo assim, gosto muito de Pedro Osório.
BS – O senhor já foi casado?
VP – Eu ia casar com a irmã do alemão da feira, já tínhamos comprado o vestido e as alianças. Mas então ela teve leucemia e faleceu antes do casamento. Depois eu não quis saber de mais ninguém. E além do mais, mulher dá muito trabalho.
BS – Falando em trabalho, o senhor trabalha?
VP – Às vezes faço alguns trabalhos de capina e jardinagem (mostra as mãos sujas e calejadas).
BS – Mas o senhor não trabalha na feira?
VP – Agora não, mas ajudava o pessoal. Quando precisam de ajuda eles me chamam e eu vou.
BS – E como o senhor se sustenta? Recebe alguma aposentadoria?
VP – Meu irmão disse que não sou aposentado e que eu tenho que ir no INSS.

BS – Mas o senhor recebe algum auxílio do governo, algum dinheiro pra alimentação?
VP – Meu irmão disse que não sou aposentado, e que tenho que ir no INSS. É ele quem me traz comida. Eu tenho que ir no INSS, porque sou encostado. Meu irmão disse que tenho que ir lá (o irmão de Valdemar, que é seu curador, mora em Pelotas).
BS – O senhor disse que nasceu em 17 de julho. Então está chegando o dia do seu aniversário.
VP – (animando-se) Mas a festa vai ser dia 22, no salão funerário.
BS – Salão funerário?
VP – (rindo) No salão do Apolinário (Centro Comunitário do Bairro Santa Tereza). Ó, vem gente da Lixiguana, de Pelotas, Porto Alegre, Canguçu, Jaguarão, São Lourenço, Cerrito, Passo do Sant’ana, e outras cidades,
BS – Qualquer um pode ir?
VP – Sim. Tem que levar uma lembrancinha, salgadinhos ou docinhos, e 01 kg de alimento. Vai ter 6 bolos e muita dança (Valdemar passa o ano todo convidando para essa festa. É o dia mais feliz da vida dele).
BS – Seu Valdemar, pra encerrar, vamos fazer um bate-bola?
VP – (rindo) Aqui na calçada? Eu não sei jogar bola.
BS – Não, seu Valdemar. É um jogo rápido de perguntas. Eu pergunto e o senhor responde em poucas palavras. Vamos começar?


Bate-bola com Valdemar Pepino

BS – Filosofia de Vida.
VP – Heim? Fiso o quê?
BS – Sua Fisolo, digo, Filosofia de Vida, seu Pepino.
VP – Ah! Liberdade (não é casado, lembra?).
BS – Ponto fraco
VP – Não tenho.
BS – Ponto forte?
VP – Saúde
BS – Trabalho
VP – Capina
BS – O que mais admira nos outros
VP – A alegria
BS – E o que mais detesta nos outros
VP – A bagacerice
BS – Comida
VP – Salada de batatas
BS – Sobremesa
VP – Pudim
BS – Bebida
VP – Refri
BS – Amor
VP – Por todo mundo
BS – Solidão
VP – Não sinto
BS – Televisão
VP – Vou ganhar três
BS – Viagem
VP – Meu irmão vem me buscar pra gente ir a Pelotas. Tenho que ir no INSS
BS – Um livro
VP – (encabulado) Aqueles com mulher bonita, sabe?
BS – Uma saudade
VP – Do alemão da feira. Me disseram que ele tinha morrido, mas é mentira.
BS – Religião
VP – Luterana
BS – Ator e Cantor
VP – Texeirinha
BS – Atriz
VP – Mary Teresinha
BS – Para quem o senhor dá nota dez?
VP – Pra ti
BS – Obrigado. E para quem o senhor da nota zero?
VP – Pra ti (rindo muito).

Esse é o senhor Valdemar Pepino Riquecepe.
Abaixo, alguns depoimentos postados no Facebook:
Sem maiores comentários este é "O CARA!"!” – Adalberto Batista Silva
Eu já fui convidada para o aniversário e para o casamento, além da minha mãe ter recebido uma rosa dele” – Miltiele Avila
É um quadro. Sempre convida pro niver dele.” – Renata Porto
“É uma pessoa de um carisma invejável e de um coração puro e sincero. Uma personalidade pedrosoriense, merece todo respeito!” – Adão Ferreira







11 comentários:

  1. Respostas
    1. Obrigado pelo comentário, Mitiele. Se quiseres, siga o blog pra concorrer a um jantar com acompanhante. Abraço!

      Excluir
  2. O Pepino velho seu uma pessoa q apesar das dificuldades ta sempre de bem com a vida nunca vi o Pepino triste Feliz Aniversário Pepino hehehehehe

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Daniel, o Pepino é mesmo uma figuraça. Foi divertido entrevistá-lo. Abraço!

      Excluir
  3. Parabéns pela iniciativa, Maurício! Depois de tantas festas de aniversário frustradas, o Pepino merecia essa entrevista!

    Teus textos são muito bons! Avisa qdo sair o livro!

    Grande abraço!

    ResponderExcluir
  4. Obrigado, Billy. Pior é que esse última festa também não saiu, mas o Pepino já está convidando para a próxima.
    UM livro está nos planos, sim, pode deixar que te aviso.

    Um abração, meu velho.

    ResponderExcluir
  5. O pepino é um cara mt legal quando ele tava capinando la na casa da minha avó Amália ele era sempre gentil dizia que era pra mim cuidar da horta e ta sempre convidando a gente pro aniversário dele kkkkkkkk

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Valeu pelo comentário, Jeniffer. A gente se vÊ no aniversário do Vadlemar heghe. Abraço!

      Excluir
  6. Baita figura esse Valdemar.. mal cheguei na cidade e ja fui convidada para o aniversário e ser madrinha de casamento dele.... sinto falta de chegar na feira do alemão e não ver essa figura sempre sorridente recepcionando a gente.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Valeu pelo comentário, Rose. A gente se vÊ no aniversário do Vadlemar hehe. Abraço!

      Excluir
  7. Grande figura!
    Um morador clássico de Pedro Osório, lenda viva... figura da minha infância nesta cidade especial à mim.

    ResponderExcluir