Pesquisar neste blog

quarta-feira, 27 de junho de 2012

Pescaria com o Chefe - final

Mas Chefe, imagino que a Secretária e a Menina da arte não se deram muito bem nesse negócio de pesca.
- Por que você acha isso? Só porque são mulheres? Pois saiba que as mulheres estão começando a dominar essa atividade. Em alguns estados as pescadoras já são dez por cento do total de profissionais que vivem da pesca.
- Então elas pescaram?
- Bem. Na verdade não. Casualmente quando as contratei a pesca estava suspensa, pois era época da reprodução. Então tive que improvisar. E como as duas foram contratadas na mesma época, fizeram o passeio juntas.
- Vocês quatro?
- O Capitão estava doente naquele dia, então fomos só nós três mesmo.
Sabia! Ficar dando tapa em minhoca com aquelas duas a bordo não me parece coisa de pessoa sensata. Lançamos as linhas na água e começamos a limpar a louça. Quando virei as costas para levar os prato até a cozinha minha linha foi puxada. Livrei-me da louça suja e corri para minha carretilha. Logo depois a vara do Chefe também vergou. Trouxemos dois belos tambaquis para cima. Já no meio da tarde o reservatório estava cheio de peixes. Alguns já estavam mortos e tinham sido colocados numa caixa com gelo.
- Sabe, Assistente. Se você me der sorte na produtora como me deu hoje com a pesca, logo dobraremos o tamanho da empresa.
Depois gritou para o Capitão.
- Capitão. Vamos voltar. Por hoje está bom, e parece que vem chuva por aí.
Logo que o motor foi ligado pegamos a caixa com gelo e levamos até a cozinha. O Chefe queria me mostrar como limpar um peixe. Em cima de uma mesa ele colocou um dos pescados sobre uma tábua e raspou as escamas como um escamador. Depois de lavar bem o peixe cortou a cabeça, o rabo e as nadadeiras com grande agilidade. Com igual destreza abriu a barriga do bicho. Tirou as vísceras de dentro do tambaqui e então eu vi, com um frio na barriga.
- Interessante.
Foi seu único comentário. Logo pegou outro peixe e repetiu o processo, como se estivesse em transe. Quase não me notava ao lado dele.
- Muito interessante – falou de novo.
Logo vários peixes já estavam abertos e limpos. E em quase todos foi encontrado macarrão dentro deles. Macarrão com pimenta. Lá se vai meu emprego.
Fizemos quase todo o caminho de volta em silêncio. O Chefe nem me olhava. Apenas balbuciava: - interessante, e balançava a cabeçorra, pensativo. Quando atracamos ele levantou da cadeira e me chamou.
- Então, Assistente, foi um belo passeio, não achou?
- Sim, Chefe. Muito bom mesmo. Muito obrigado por ter me convidado.
- Nem agradeça. É a tradição, você sabe. Venha! Vamos embora que quero chegar em casa antes da chuva.
- Mas e os peixes?
- Não se preocupe. O Capitão vai lhe dar alguns tambaquis pra você levar pro seu pai. O resto ele vende aqui mesmo na vila.
Ao me deixar casa, um aperto de mão com as garras esmagadoras.
- Até amanhã na produtora, Assistente.
E se foi. Pelo menos teria ainda mais um mês de trabalho antes de ser despedido por ter traído a culinária do Chefe. Pelo menos foi o que eu pensei.
Mas pensei errado. Hoje, dois anos depois daquele passeio de barco, tenho minha própria sala na produtora com uma plaquinha de metal na porta onde está escrito “Diretor”. Não a conquistei ajudando meu patrão a pescar muitos peixes, é bom que se diga.  Tampouco foi por ter dado a ele uma idéia, mesmo sem querer, de uma nova receita de massa para isca. Foi por competência profissional mesmo, pelo meu bom trabalho de assistente aqui na produtora. A produtora cresceu e novos profissionais foram contratados. A tradição do passeio de barco com os novos funcionários ainda é mantida embora o almoço servido a bordo seja outro. A Secretária está ainda mais gostosa e eu, agora Diretor, começo a visualizar alguma oportunidade de qualquer coisa com ela, já que a Namorada me deixou.
Minha relação com o chefe continua a mesma, profissional e cordial. Quase uma amizade. Jamais conversamos sobre aquele dia. Foi como se eu tivesse comido todo o macarrão com pimenta sem jogar um nadinha na água. Mas quando ele fala comigo consigo enxergar um brilho estranho em seus olhos que, desconfio, seja de agradecimento. Na semana seguinte ao nosso passeio pela lagoa ele se ausentou por vários dias. Andava sempre correndo e pensativo. Poucas semanas depois anunciou seu novo projeto: uma indústria de iscas para pesca e rações para peixes ornamentais, com sabores baseados em suas aptidões culinárias, especialmente em seu famoso macarrão com pimenta. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário