Pesquisar neste blog

quarta-feira, 24 de abril de 2013

Palavreando



Etimologia - s.f. Ciência que investiga a origem, étimo, das palavras procurando determinar as causas e circunstâncias de seu processo evolutivo. 
Matéria ou disciplina que analisa a descrição de uma palavra em vários âmbitos linguísticos anteriores à sua formação.
Procedência de um termo tanto em sua forma mais antiga quanto nos aspéctos relacionados à sua evolução.
(Etm. do grego: etumología) do Dicionário Informal
                                                                                                                                                                   (google imagens)


    Etimologia, portanto, é um assunto que me interessa. Gosto de especular sobre a origem de algumas palavras e expressões que usamos.  Forró, por exemplo. Muitos ouviram dizer que a palavra forró vem do inglês for all (para todos). Forró (a palavra, e não o ritmo) teria surgido quando as forças armadas americanas se instalaram no litoral nordestino brasileiro durante a II Guerra, e a noite os soldados iam para os locais onde a festa era animada pelo ritmo típico da região. E como a festa era para todos (for all), os brasileiros aportuguesaram a expressão.  Essa é a versão mais conhecida, porém, contestada. Alguns historiadores dizem que foram ingleses, e não americanos, sitiados no nordeste para construir uma ferrovia no início do século XX. Outros ainda apontam que o termo vem de outra dança, o forbodó (forrobodó), onde um bumbo ditava o ritmo. Seja como for, quero deixar aqui as minhas teorias para o surgimento de algumas palavras e expressões não tão elegantes como forró. São elas:

    Besteira – Em filmes americanos ouvimos o personagem praguejar dizendo “bullshit”. Em tradução livre, bullshit é “merda de touro”. Merda de touro é bosta, e, aportuguesando, bullshit fica “bosteira”, que virou “besteira” (bullshit, para os americanos, é isso mesmo: falar bobagens, asneiras).

     Rango (comida) – Outra vez uma palavra de origem inglesa. Quando sentimos fome é comum dizermos “vou fazer um rango”, ou “vou ranguear”. Fome, em inglês, é hunger (hungry ,é faminto). Daí para rango é um petisco.

     Comer e comer – Algumas expressões inglesas ganharam flexão verbal no aportuguesamento, como “food” (comida). Desta forma, “comer” seria $&*#@¨&@... você entendeu.

       Coitado – Tem sua raiz na palavra “coito”, que é o ato sexual.  Sacou a relação com a palavrinha “food” aí de cima? Um sujeito coitado é, em outras palavras, um sujeito fu!

      Recuar – Se fosse um verbo, cuar significaria andar com aquela parte do corpo onde o sol não bate. Recuar seria, portanto, cuar para trás, cuar de ré. Mas isso não sou eu quem diz, pois um pesquisador teve essa teoria antes de mim.

      Xarope - Em inglês, “cala a boca” é shut up (pronuncia-se algo como sharap). Podemos afirmar que xarope é um cala a boca para quem tem tosse. E também chamamos de xarope o cara chato, que não para de falar (shut up, Galvão!).
                                                                                                                     (google imagens)

terça-feira, 16 de abril de 2013

Caserna


Publicado no Diário Popular de 26 de setembro de 2013

O quartel é também um manancial de boas histórias. Eu servi às armas, Exército Brasileiro, Infantaria. No meu tempo se usava a farda verde-oliva, diferente da camuflada que é usada hoje. Tínhamos que besuntar gandola e calça com uma goma feita de farinha e água aplicada com ferro quente para lhe dar um aspecto de “armadura”. Tínhamos que engomar a farda, e a não observação desse processo, tão importante quanto a manutenção do armamento, poderia causar embaraços para o soldado.  
Prestei serviço militar no início dos anos 90, século passado. Hernandez também. Sujeito engraçado, superbacana, pra usar uma expressão das antigas. Comprou na loja do quartel um calção com duas listras brancas nas laterais, de uso exclusivo dos oficiais, apenas para correr na avenida e impressionar as gurias. Certa manhã, de guarda, Hernandez apontou o fuzil para o corneteiro que dava o toque da alvorada e ordenou que fosse soprar o instrumento em outo lugar porque o barulho estava lhe incomodando. O corneteiro, soldado antigo e da mesma companhia do desvairado, não discutiu e se mandou para o outro flanco. Vai saber?!
Havia também o Santos, que detestava tirar guarda. Odiava tanto que chegou ou extremo de dar um tiro no próprio pé para escapar da obrigação. O projetil (uma das coisas que aprendemos logo que chegamos ao quartel é que munição não é bala, mas projetil) entrou por cima e saiu por baixo, atravessando pé e coturno. Escapou da guarda, mas não de completar o ano de serviço, boa parte dele na enfermaria.
Silva era um soldado taciturno, na dele, quietão. Gordo e alto. Tirava guarda com o fuzil carregado, mas era, como dizem, uma mãe. Certa madrugada, na guarita, Silva foi surpreendido pelo oficial de dia que fazia a ronda. Senha e contrassenha trocadas, o tenente solicitou que Silva lhe entregasse o FAL – Fuzil de Armamento Leve, o que, prontamente, fez. Depois ficou ali, vendo o oficial se afastar levando consigo o seu armamento. Ficou o restante da “hora” sem fuzil.  Depois desse incidente Silva passou a tirar o serviço com o trabuco carregado. Talvez fosse atirar no sujeito que tentasse lhe arrancar a arma de novo. Vai saber?!
Eugênio era motorista, como eu. Graxeiro, assim éramos chamados. Numa manhã, ao voltar de um serviço, estacionou o caminhão Engesa na ladeira para facilitar o arranque mais tarde. Esqueceu-se, porém, ao descer do pesado veículo, de puxar o freio de mão. Eugênio ainda teve tempo de ver o caminhão descendo sem controle até derrubar um paredão e parar de vez dentro da biblioteca.
Se o espaço desta coluna me permitisse, teria ainda muitas histórias para contar dos tempos de farda, do aprendizado, das lições de companheirismo e civismo. Porém, quanto a mim, não tenho nenhuma passagem digna de registro. Depois de doze detenções eu me tornei um soldado exemplar.


 Graxeiros


quinta-feira, 11 de abril de 2013

Jogo de Damas, de David Coimbra



Que tal ganhar esse livro divertido e instrutivo do blog? É só clicar em Participar deste Site e aguardar o sorteio no dia 2 de junho. 


Boa sorte para
01 – Adalberto Batista Silva.
02 - Daniela Bernardi
03 - Família Caldeira Ribeiro
04 - João Carlos Rosenthal 
05 - Laura Paranhos
06 - Regina Lima
07 - Taciane Brussa
08 - Glaci Moraes Machado 
09 - Lisiane Costa
10 - Lavínia Valin
11 - Celso Luis Martins
12 - Mauricio Mortagua
13 - Daniel Fraga
14 - Claudio André Oliveira
15 - Tati Aldrighi
16 - Angélica Maria
17 - Andressa Meireles
18 - Vanessa Barbosa
19-  Vitor Reis 
20 - Elisângela Gomes
21 - Carol Ferraz
22 - Camila Borges 
23 - Adriene Valente
24 - Beth 
25 - Elis Regina Duarte
26 - Patricia Menon
27 - Adriano Souza
28 - Ingrid Callado
29 - Iasmin Cruz
30 - Julia Helena 
31 - Andarilha
32 - Marcela Marques
33- Thiago Schwarzenegger
34 - Book and Sensations
35 - Bio Re
36 - André Luiz Silva 
37 - Maria Constança 
38 - Marcia (Por Dentro) 
39 - Eliane Machado 
40 - Jozabeth
41 - Gabriela 
42 - Luiza