Pesquisar neste blog

quarta-feira, 24 de setembro de 2014

Existimos enquanto pensamos



Publicado no Cruzeiro do Vale - Gaspar - SC   em 8 de outubro; e ni Diário Popular - Pelotas - RS em 11 de outubro.

A luz branca do quarto não lhe dizia muita coisa. Não avisava, por 

exemplo, se era noite ou se era dia. Saberia, se as janelas 

estivessem abertas ou se, pelo menos, as enxergasse. Fechou os

 olhos contra a vontade por alguns segundos, as pálpebras

 estavam meladas e pesavam toneladas. Uma estranha sensação 

percorria o seu corpo, como se envolto em líquido. Procurou o 

peito com as mãos, mas elas não se moveram.


- Fique quieto – ouviu, - ou posso te cortar.


Pensou em perguntar onde estava, como fazem nos filmes em 

situações como aquela. Porém, ele sabia muito bem onde, apenas 

não sabia “por que” e nem “quando”. Talvez fosse domingo, ou 

sábado. Foi na noite passada que bebera uma cerveja no bar ao 

lado da faculdade, com aquele sujeito que sonha em ser um 

desenhista famoso, enquanto esperava por seus irmãos? Neste 

caso não poderia ser domingo, pois tem certeza de que o bar só 

abre em noites de aula. Na verdade podia ser qualquer dia da

 semana, qualquer mês do ano, e podia ser manhã, tarde ou noite,

 pois a luz branca do quarto lhe dizia apenas uma coisa: que 

estava em um hospital.



Estou escrevendo minhas memórias. Além deste trecho aí de cima, 

que é o primeiro parágrafo do meu livreto particular, já escrevi 

umas 30 páginas. É um ótimo exercício de escrita. E de memória.

 Digito sem ordem cronológica. Vou lembrando e passando para a 

tela brilhante do monitor. É legal porque, de repente, me deparo 

com rostos que achei que não lembraria mais e revivo conversas há 

muito esquecidas lá nos grotões de minhas lembranças. Sabe 

aquela coisa de “minha vida daria um filme”? Todo mundo tem 

uma história para contar. Mas, como prefiro livros a películas, eu 

escrevo. 

Um amigo me disse, certo dia, que vivemos na memória dos 

outros, e que só morreremos de verdade quando ninguém mais

 lembrar da gente. Vivemos enquanto somos pensados. Existimos 

em nossas criações. Existimos em nossos filhos, em nossos netos, 

em nossos bisnetos...

Da mesma forma como Presley está vivo em sua música e 

Michelangelo em seus afrescos. Um autor vive em sua obra. Érico 

Veríssimo, por exemplo, renasce sempre que alguém abre e lê um 

livro seu.

Considero que todo livro fechado carrega em si um tanto d

tristeza, com suas ideias aprisionadas, seus romances esmaecidos, 

seus heróis enclausurados. Por isso eu desapego. Empresto, 

presenteio. Livro é para ser lido, é sua razão de ser, de existir. 

Tente. Além de uma boa história pessoal desejando ser contada, 

deve haver aí, com você, um livro querendo alçar voo, esperando 

apenas um empurrãozinho seu. Liberta-o. E liberte-se!
   




Nenhum comentário:

Postar um comentário